Sabath Mabon - A Segunda Colheita

março 21, 2015


Mabon é o segundo dos três Sabbats da colheita.
A Deusa está agora fortemente impregnada pela energia do Sol, que a cada dia parte mais rápido para o País de Verão. Conforme o poder dele diminui, a Deus lamenta sua partida, mas Ela sabe que o poder do Deus retornará à Terra em Yule. A Deusa e o Deus são honrados através de novas oferendas da segunda colheita. É o momento de agradecer pelas abundantes colheitas e o maravilhoso ano de aprendizado e lições oferecidas.



Nesse Sabbat, a Deusa lamenta o seu consorte, que está partindo ao Outromundo, mas a mensagem de renascimento pode ser encontrada em cada semente colhida, que é o próprio Deus que se sacrifica para alimentar seu povo. É um tempo positivo para caminhar nas florestas, colher plantas e ervas mágicas para serem usadas no Altar. Pão de milho e cidra são bons elementos para fazerem parte dos rituais; folhas de outono são ótimas decorações para o altar.

Os temas desse Sabbat são equilíbrio e ação de graças. É tempo de dar graças pelos frutos colhidos, e a Deusa é a Senhora de Abundância cuja colheita nos sustentará pelos meses escuros do Inverno. Também é tempo para refletir sobre nós mesmos, sobre o equilíbrio da escuridão e da luz e se esforçar ao equilíbrio interno.


Também é hora de meditar sobre os projetos, a escolha das "sementes" (nossos sonhos) que serão plantadas no próximo ano, além de agradecer pelas realizações do ano que passou. Agora, entretanto, temos de deixar que as coisas não mais significativas possam ir embora de nossa vida, pois isso é o que nos oculta e impede-nos de alcançar aquilo que queremos. É momento de recordar que cada coisa tem seu tempo e sua estação e que o Inverno se aproxima. 



Como um gesto ritual, é tradicional passar o Cálice da Gratidão nesse banquete. Um Cálice repleto de vinho é abençoado e passado a cada integrante da mesa. Conforme o Cálice passa, as pessoas vão fazendo seus agradecimentos. Quando tiverem agradecido por todas as bênçãos, eles bebem e passam o cálice adiante. Isso continua até a Taça esvaziar, bebendo em amor bênçãos e gratidão a tudo.

Considerando que esse é um dos dois dias de equilíbrio no ano, juntamente com Ostara, é tradicional limpar casa. É nesse momento que você começa obstruir toda desordem ao redor de seu lar. As portas da casa são abençoadas para protegerem aqueles que vivem dentro dela. Magicamente falando, esse é um bom tempo para executar sortilégios ao redor da ideia de balanceamento da vida de remover as culpas e substituir por carinho e aceitação.

CORES: marrom, verde, amarelo, vermelho
NOMES ALTERNATIVOS: Equinócio de Outono, Encontro do Inverno, Winter Finding, Albah Elfed, Colheita do Vinho, Cornucópia, Festa de Avalon, Segunda Colheita.
DEUSES: do vinho e da colheita
ERVAS: alecrim, calêndula, sálvia, noz, folhas e cascas, visco, açafrão, camomila, folhas de amêndoa, frankincenso, rosa, agridoce, girassol, trigo, folhas de carvalho, maçã seca ou sementes de maçã.
PEDRAS: âmbar, peridoto, diamante, ouro, citrino, topázio amarelo, olho de gato, aventurina.

[fonte: WICCA - A Religião da Deusa/Claudiney Pietro]
Tecnologia do Blogger.